Se a montanha não vai a Maomé…

… Maomé vai à montanha. Isto é como quem diz: se o jornal económico OJE não tem um feed com enclosure para o pdf, eu crio um. Agora, se não quiserem ter que ir à página deles para sacar o jornal, basta assinar este feed (http://feeds.feedburner.com/oje). Fixe fixe, era o pessoal da revista Programar fazer o mesmo. Isso é que era cinco estrelas.

Sugestão

Não deixem de passar pelo blog do Rui (ver posts anteriores) para apreciar mais algumas pérolas do seu estilo acutilante e mordaz, bem demonstrantes da sua vasta cultura e alto nível de educação.

Só para que conste: em nenhum dos meus comentários (nunca aprovados) no blog visado se proferiu qualquer palavra contra o autor dos posts e/ou outra pessoa que comentasse qualquer outro post. E a sugestão de leitura que deixo, é mesmo do Avante. Aí sim, se encontra boa comédia.

Revolução na (des)informação

Eu não queria prolongar esta questão, mas como o Rui fez e muito bem, aqui deixo alguns links para vários sites que apresentam tanta propaganda oca, que se torna constrangedor lê-los.

Para entender o porquê do resistir.info
www.resistir.info

Para entender o porquê do odiario.info
www.odiario.info

Hand off Venezuela é uma campanha de solidariedade com a revolução venezuelana presente em mais de 40 países.
http://tirem-as-maos-da-venezuela.blogspot.com/

Apple em Portugal

Phil e David, sei que vão gostar da noticia. Tudo via Tao of Mac. Mas… ainda não é oficial oficial.

Ainda há esperança

Ao que parece, um jornal regional chinês, “Chengdu Evening Post”, conseguiu fintar a censura chinesa, sobre o massacre de Tiananmen. A noticia pode ser encontrada aqui.

A Reboot na BBC News

O link está aqui.

Ainda na Reboot

São 22:27h locais, e ainda estou dentro do hall da Reboot. Ao menos aqui a net é mesmo à pála. Quando funciona. Estou a ser mauzinho, só tem falhado algumas vezes.

Parece que as apresentações mesmo boas, mas mesmo mesmo boas, ficam para amanhã. Entretanto, aqui ficam algumas buzzwords: flow, the long tail, sex, e por aí além. Estou cansado demais para escrever mais. Até amanhã.

Há fotos aqui.

Reboot 9 para iniciantes (como eu)

Não há nada como ler as coisas em tempo real:

E depois, o meu canal em cada um deles:

Obviamente, estes dois serviços são patrocinadores do evento.

Em Copenhaga

Cá estou… A viagem foi… interessante, que é como quem diz “longa”. Para a próxima já sei, não apanhar voos com escala e seguir directamente para aqui. Como só cheguei depois das 19h, perdi o pré-encontro num jardim qualquer da cidade… Adiante.

Copenhaga parece uma cidade interessante, com zonas mais ou menos definidas, isto é, em cada uma se sabe o que se pode/deve fazer: compras, beber, educar filhos, etc. E muito etc.

A pousada onde estou está bem localizada, suficientemente perto da Central Station. O único senão é terem a Internet sem fios em baixo, e ter que ir ao outro lado do rio beber uma pint de Carlsberg para ter net à pala. A cerveja até é boa, o problema é não ter jantado ainda e estar a tornar-se difícil escrever este post…

Amanhã há mais! Espero eu…

Quebrando tabús Imaginem que têm de fazer dois…

Imaginem que têm de fazer dois trabalhos, um fácil e outro difícil. Sabendo isto, quando se pergunta a alguém qual prefere fazer primeiro, normalmente, essa pessoa vai responder que prefere fazer o difícil porque assim despacha logo o que dá mais trabalho. Ora, isto parece-me um erro.

Se repararmos bem, se já sabemos que um dos trabalhos é mais difícil, é também normal que esse seja o que vai demorar mais tempo. Nas situações em que temos de entregar/fazer as duas tarefas vai correr-se o risco de ao acabarmos o mais dificil já não termos tempo para o outro. Assim, não seria mais lógico fazermos primeiro o fácil que nos ocupa menos tempo? É que assim despachava-mos logo um deles e todo o tempo que sobrasse seria dedicado ao mais dificil. Além disso, se houver mais pessoas na mesma situação, que escolheram fazer primeiro o difícil, já se pode tirar partido do que elas fizeram até agora.