Nas imortáveis palavras de Tomás Taveira…

Ui ‘ca bom!